TRABALHO ESCRAVO NO BRASIL – A ESCRAVIDÃO QUE PERDURA

 

Brasil, chega de ficar deitado “ao som do mar e a luz do céu profundo”. Enquanto a escravidão que perdura, diminui a dignidade do teus filhos; nesse que deveria ser o berço esplendido. É hora de levantar, “gigante pela própria natureza”, e encarar de frente os nossos inimigos, que talvez, seja nós mesmos.

É dever dessa nação nos auto libertar de uma vez por todas dessa maldição que nos lançaram, quando implantaram um sistema de exploração no tempo do descobrimento; diferente da América do Norte quando foi implantado um sistema de povoamento.

As estatísticas falam em milhares de pessoas em trabalho escravo no Brasil; em uma escravidão que perdura por séculos. Não como antigamente, mais com cara nova, com característica de privar as pessoas de exercerem sua dignidade.

Já ouvimos falar em trabalho escravo nas agências de modelo, no campo, a escravidão por dívidas, a urbana, nas confecções e até nas empresas em péssimas condições de trabalho, sem segurança e baixos salários.

A falta de emprego no Brasil contribui muito para que sujeitemos essas condições que no final é tudo trabalho escravo.

Assim como a escravidão no Brasil se modernizou, ganhou cara nova e nomes difíceis das pessoas entenderem, quem escraviza também mudou; não tem mais chicote na mão, mais tem o poder. Fala bonita, veste roupa bonita, sabe manipular as pessoas e tudo com o suor do nosso trabalho.

Temos que ser fortes para lutar contra esse tumor que chama corrupção e que tem metástases em todos os setores.

A pior escravidão ou escravismo ou escravatura; seja lá; como escolher chamar; é a de sermos governados por chefes que não estão interessados na cura desse câncer, que a escravidão moderna, a falta de educação, a falta de saúde, de segurança e o preconceito nos impõe.

Até hoje temos coleira no pescoço, somos controlados por barões, senhores modernos que desenvolveram meios pra continuar escravizando.

Vencemos algumas batalhas como:

  • Da escravidão indígenas que foi abolida no final do século XVlll; pelo o marqueis de Pombal,
  • A lei Áurea; 13 de maio de 1888 pela Princesa Isabel.
  • A Mobilização das mulheres por Direitos Civis.
  • O Direito ao Voto.
  • A Consolidação das Leis do Trabalho criada em 1º de maio de 1943; sancionado pelo o presidente Getúlio Vargas e outras mais.

Mas, parece que estamos retrocendo ou parados no tempo, os desafios continuam gigantes.

E sabemos que nós, também somos gigantes, somos mais de 200 milhões de “filhos teus que não foge à luta”.

Queremos refletir nas ações que podemos ter hoje, lembrando do nosso passado, pois, quando Dom Pedro declarou independência, ninguém se opôs ao Brasil, já pensaram, como seria hoje? Sendo milhões!

O sofrimento nos aperfeiçoou; é difícil ver outra solução que não seja a educação.

É preciso uma análise profunda de quem vai nos governar para que não sejamos cúmplices de novos e maiores desatinos.

Não podemos errar mais. Teremos que escolher com acerto; quem irar executar leis que interfiram diretamente em transformações reais e melhores para nossa vida.

É preciso fazer “nosso brado retumbante” ser ouvido.

Afinal somos herói e vamos em busca da verdadeira liberdade que queremos ver brilhar no céu da nossa pátria.

Nem que pra isso tenhamos que “desafiar o nosso peito à própria morte”, para realizar esse sonho intenso de liberdade, esse fim real da escravidão de um povo merecedor.

Se não tivemos as glórias necessárias no passado, não vamos fugir da luta para que tenhamos justiça e paz no futuro.

Vamos lutar por uma educação assertiva, para banir as várias formas de escravidão do nosso Brasil.

 

Deixe seu comentário, compartilhe nas redes sociais.